Todos os resultados e marcadores da terceira eliminatória

Pouco depois de o Sporting ter gelado o ninho do dragão, como já não acontecia há 49 anos, o Benfica confirmava, na Covilhã, ter encontrado uma alternativa valiosa para a difícil sucessão da dupla Cardozo-Rodrigo. Aos 30 anos, no primeiro jogo como titular pelos encarnados, Jonas assinou o terceiro hat-trick da carreira, repetindo as proezas conseguidas em dezembro de 2013, no Valência (diante do Osasuna) e em outubro de 2010, pelo Grémio (frente ao Grémio Barueri).

Nem mesmo os mais otimistas dos adeptos encarnados esperam que o internacional brasileiro mantenha - nas provas domésticas, apenas - a cadência goleadora (4 tentos em 135 minutos) mas quem viu o jogo sente-se tentado a concordar com Jorge Jesus quando este vê qualidade extra no avançado libertado pelo Valência: «É um jogador diferente», resumiu.

A noite de Jonas não deve fazer esquecer os outros pontos de realce da noite serrana. O primeiro, a boa imagem deixada pela equipa de Francisco Chaló, que deu a volta a um penálti madrugador e, mesmo depois do efeito-Jonas, esteve até ao fim a discutir o resultado. O segundo, os riscos assumidamente corridos por Jorge Jesus, ao apresentar um onze radicalmente desligado do habitual, que permitiu quatro estreias oficiais pelos encarnados. Entre elas a de um jovem, Gonçalo Guedes, destinado a dar que falar – isto, claro, se tiver direito a mais oportunidades como esta, o que não é garantido.

Aves, Varzim e Santa Maria: três tiros nos porta-aviões

Mas é claro que a jornada de Taça não pode, nem deve, resumir-se aos destinos dos grandes. Numa eliminatória que deixou pelo caminho cinco equipas de I Liga (Estoril, Académica e Boavista, além de FC Porto e Arouca, que foram eliminados por «iguais») honras de grande destaque para um reincidente na arte dos tomba-gigantes: o Santa Maria, modesto clube de Barcelos, atualmente em 7º lugar na Série A do Campeonato Nacional de Seniores, que deixou a Académica pelo caminho, um ano depois de ter feito a mesma «gracinha» diante do Nacional. Um bis, em anos consecutivos, que começa a fazer desta equipa um clássico da Taça portuguesa. Convém não esquecer que a aura mítica da Taça se faz de imagens como esta:

O Santa Maria não foi o único a dar um salto de dois escalões: na Póvoa, um histórico do futebol português, o Varzim, treinado por outro histórico, Vítor Paneira, conseguiu deixar pelo caminho o europeu Estoril. Uma proeza que remete para a epopeia de 2007, quando o atual segundo classificado da Série B do CNS conseguiu uma das grandes proezas no seu historial da Taça, eliminando o Benfica na Póvoa.

O trio de ases desta ronda fica completo com o Desp. Aves, 18º classificado da II Liga, que até entrou a perder no seu jogo com o Boavista, mas acabou por dar a volta por cima, completando com goleada (4-1) a eliminação do histórico portuense.

No resto, com maior ou menor dificuldade, pode dizer-se que a lógica imperou, ainda que tenha sido forçada a recorrer a prolongamento (como no caso da passagem do Belenenses) ou até penaltis (como aconteceu com o Penafiel). Numa ronda em que a goleada mais ampla foi conseguida pelo Desp. Chaves, diante do Cova da Piedade (7-0), destaque para a solidez comprovada de equipas com ambições na prova, como Sp. Braga, V. Guimarães, Paços, Marítimo e Nacional, todos a assinarem vitórias robustas diante de equipas de escalões inferiores.

Por fim, menção honrosa para as oportunidades concedidas e bem aproveitadas por jovens à espera de um lugar ao sol. Se o caso de Gonçalo Guedes, no Benfica, é o mais mediático, os bons desempenhos, com golos, de Jota (Paços de Ferreira) e Yann (V. Setúbal), entre outros, deixam-nos com vontade de saber mais sobre eles. E é também disto que se faz o encanto da Taça.

Resultados e apurados

Sexta-feira:

Atlético-Beira-Mar, 3-0

Sábado:

Pedras Salgadas- Trofense, 1-3 

Varzim -Estoril, 2-1 

Olhanense- Oriental , 2-4 

Desp. Aves -Boavista, 4-1 

FC Porto- Sporting , 1-3 

Feirense -Amora, 5-1 

Sp. Covilhã- Benfica , 2-3  

Famalicão-Sp. Pombal, 2-1

Domingo:

Casa Pia- Vizela, 1-4 (ap) 

Sourense- Santa Eulália, 0-1 

Mortágua- Fafe, 1-3 

Operário-Tirsense, 3-1 

Vitória Sernache- Vieira, 1-1 (1-4 após gp) 

Salgueiros 08- UD Oliveirense, 1-3 

Riachense-Benfica e Castelo Branco, 2-1 

Gil Vicente -Real Sport Clube, 2-1 

Marítimo-Gondomar, 4-0 

Desp. Chaves-Cova da Piedade, 7-0

Serzedo- Sp. Espinho, 1-1 (7-8 gp) 

Freamunde -Felgueiras, 3-2 (ap) 

Ribeirão-Torreense, 2-0 

Coimbrões- Rio Ave, 0-1 

P. Ferreira-Atlético Reguengos de Monsaraz, 4-0

AD Oliveirense- Belenenses, 2-3 (ap)

Moura-Vitória Guimarães, 0-2

Penafiel-Tondela, 2-2 (4-3)

Santa Maria-Académica, 1-0

Nacional-Alcanenense, 6-1

Sp. Braga-Alcains, 4-1

Moreirense -Pedras Rubras, 2-1

Vitória Setúbal-Arouca, 1-0