O nome não se resume ao treinador do Sporting, antigo internacional português. Do outro lado no Atlântico, aparece um local remoto onde todos são Paulobentenses.

Não passam de 2090 pessoas, divididas quase equitativamente entre homens e mulheres. Pegando nesse números, percebe-se que apenas 477 são consideradas como população urbana. Em Paulo Bento, município de Rio Grande do Sul, a terra continua a ser a principal fonte de subsistência.

Lá, a cerca de 400 quilómetros da capital Porto Alegre, terra que viu crescer craques como Ronaldinho Gaúcho ou Anderson, poucos ouviram falar do outro Paulo Bento. Todos eles são Paulo Bento. Ou melhor, Paulobentenses.

«Já ouvi falar de um jogador...»

Não é fácil entrar em contacto com o Rio Grande do Sul profundo. Ainda mais, explicar a curiosa mistura de um treinador de futebol com uma localidade onde o desporto é subjugado do peso do labor.

Numa terra onde até os números de telemóvel dos vereadores são do conhecimento público, Carlos Alberto Dall Agnol acaba por responder ao contacto do Maisfutebol. A ligação é péssima, dá apenas para o essencial.

«Paulo Bento, futebol? Realmente, eu sabia que existia um jogador chamado Paulo Bento, em Portugal, mas treinador não», começa por dizer o vereador. Actualiza-se o percurso do antigo internacional luso e o vereador de Paulo Bento sorri com a coincidência. «É mesmo, treinador de uma grande equipa de Portugal? É curioso, isso, sem dúvida. Temos de ficar atentos ao trabalho dele. Claro, vamos todos torcer por ele», promete, de fugida. Não há tempo para distracções.

Paulo Bento governa-se com o gado

A história de Paulo Bento, deste Paulo Bento de Rio Grande do Sul, conta-se em poucas linhas. Importava perceber o óbvio, antes de mais: porquê uma terra chamada Paulo, Paulo Bento? Em 1870, os irmãos Paulo e Manuel Bento de Souza tomaram posse daquelas terras. Está explicado.

A agropecuária dita leis em Paulo Bento e os últimos números apontavam para cerca de 27 mil cabeças de gado. Recorde-se, para 2090 pessoas. Com uma área de 148 quilómetros quadrados, o município homónimo do treinador do Sporting apresenta um modesto PIB per capita: qualquer coisa como 4, 5 euros.

É gente de trabalho, deu para perceber, sem tempo para grandes distracções, mas ficou a promessa. A partir de agora, Paulo Bento de Portugal terá seguidores atentos e fiéis em Terras de Vera Cruz: os Paulobentenses. Sempre são mais 2090 adeptos para o derby que aí vem.