A continuidade de Manuel Machado na Choupana parece praticamente fora de questão, embora ninguém o admita. Nem o treinador, nem o Nacional, que pela voz do seu presidente até anunciou que irá fazer uma queixa na Liga, porque considera que o V. Guimarães aliciou o seu actual técnico.

Sobre a questão do aliciamento, Machado não abriu o jogo: «Sou omisso relativamente a isso.» E se há tempos mostrou vontade de continuar, afirmando que para haver casamento teria de haver um noivo e uma noiva, agora a resposta já foi evasiva: «Se quero continuar no Nacional? Não me pronuncio em relação a isso.»

Já após o lançamento do embate com o Paços de Ferreira, o líder doa alvinegros acedeu falar sobre as notícias que dão conta da sua provável saída. «Vivemos num Mundo que todos conhecemos e há questões que são sazonais. Nesta fase da época começa-se a dizer que vai haver mudanças, jogadores e técnicos. Se pegarmos nas notícias que vão sendo publicadas durante este mês e meio, por relação com o que vai acontecer, veremos que se especula demasiado em relação a esse tipo de coisas», começou por afirmar.

«No entanto», prossegue, «é natural que quer os técnicos, quer os clubes, projectem o futuro neste período»: «É dentro desse quadro que isto acontece. É natural que os clubes façam prospecção e abordagens a técnicos que se encaixem nas suas perspectivas, e naturalmente que os técnicos ouvem e também fazem uma projecção no sentido oposto, quer em termos desportivos, quer no plano financeiro. Não vejo nada de sobrenatural neste tipo de acções. Há especulações e há naturalidade de uma acção que tem de ser desenvolvida em tempo útil, para que não seja em Junho ou Julho que se esteja à procura de treinadores. Não vejo com outro tipo de olhos ou pensamento este tipo de coisas. Não esqueçam o que eu disse: especula-se demasiado».

Sou profissional mas não vivo 24 horas para o futebol

Sobre si mesmo, Manuel Machado não quis alongar-se mas sempre enviou mais um recado. «Em relação a mim mesmo nada direi. Estou concentrado no Paços de Ferreira. Não sou daqueles que dizem que vivem 24 horas para o futebol, pois tenho outros interesses, como dormir, alimentar-me, fazer a minha higiene, gosto de ler, passear, tenho a minha família, a actividade física e isso tira-me tempo. Mas sou profissional e sério e guardo o tempo necessário para preparar as coisas com a devida atenção e respeito a quem me paga. A única coisa que está na minha cabeça quando me deito chama-se Paços de Ferreira», revelou.

E perante novas insistências, sobre o seu futuro: «Não faço mais comentários. Questões particulares, o que lhes digo é que tenho mais três jogos e o próximo é o Paços de Ferreira».