FIGURA: Rafael Martins

Estreou-se a marcar na semana passada, no D. Afonso Henriques, um tento insuficiente para garantir os três pontos. Esta noite voltou a estar em evidência, sendo determinante para o triunfo do Vitória de Guimarães diante do Rio Ave. Depois de ameaçar Cássio, em duas ocasiões, provocou a primeira explosão de alegria na Cidade Berço, com uma bomba a abrir o ativo. Depois serviu Hernâni para o segundo com um passe açucarado. Determinante nos momentos decisivos do encontro, nem sendo necessário destacar a entrega habitual ao jogo. Está a calibrar o gatilho o ponta de lança brasileiro.

FICHA DE JOGO E AO MINUTO

MOMENTO: bomba de Rafael Martins faz Héldon explodir (60’)

Cruzamento para a área de Raphinha, a defesa do Rio Ave alivia mal, fazendo o esférico cair na zona de Rafael Martins. O atacante amorteceu o esférico preparando o remate e disferiu uma autêntica bomba com o pé esquerdo, sem hipóteses para Cássio. Por protestos Héldon acabou expulso, desnivelando o encontro quando estava cumprida uma hora de jogo.

NEGATIVO: Bernard

Arredado das convocatórias nas últimas jornadas, o médio ganês saltou diretamente para o onze em virtude dos castigos de Hurtado e Tozé. Oportunidade desperdiçada por parte do médio cedido pelo Atlético Madrid. Foi pouco acutilante, viu um amarelo muito cedo, arriscou o segundo e foi substituído ainda antes do intervalo. Queria sair diretamente para o balneário, foi travado pelo staff do Vitória.

OUTROS DESTAQUES

Cássio: exibição importante do guarda-redes. O caudal ofensivo do Vitória, essencialmente na primeira parte, não foi desmedido, mas ainda assim o brasileiro teve de fazer três intervenções providenciais a evitar que a equipa da casa se adiantasse no marcador. Ainda evitou o golo na segunda parte, nada pôde fazer perante a bomba de Rafael Martins e o remate subtil de Hernâni.

Zungu e Celis: voltaram a jogar no miolo, entendendo-se na perfeição. Celis mais musculado, Zungu com mais vigor técnico, formaram uma dupla coesa e compacta e ao mesmo tempo multifacetada, capaz de se adaptar às várias fases do jogo.

Krovinovic: o internacional sub-21 croata esbanja talento, fazendo o jogo da equipa do Rio Ave fluir com qualidade e critério. Foi raro vê-lo perder a bola, o que atesta a sua capacidade para pautar o jogo e encontrar soluções.

 

Marega: o nome maior deste Vitória, ainda que se sem marcar, tentando muitas das vezes remar sozinho contra a maré vila-condense. Jogo de luta, de raça e de muita crença. Atirou ao travessão ao minuto 21 com um grande remate na sequência de um livre. Serviu Texeira para o terceiro do Vitória.