O Maisfutebol perguntou a José Peseiro se nesta fase o trabalho emocional é mais relevante do que o tático. O novo treinador do Vitória respondeu afirmativamente e deu um exemplo curioso para ilustrar as suas ideias:

«Temos de desfrutar do jogo, como se jogássemos uma pelada. Com responsabilidade. Quero os jogadores a arriscar e sem medo das consequências. Têm de ter prazer com a bola».

[Análise ao jogo]

«Na primeira parte o Belenenses foi melhor. Na segunda fomos nós. O resultado é justo. Não conseguimos jogar nem 50 por cento do que esta equipa pode fazer. Fruto do estado anímico. O Vitória tem objetivos e responsabilidades. Não gerimos bem isso. Tivemos falta de tranquilidade e confiança na primeira parte. O Belenenses dominou todas as nossas fases de construção. Acho que os jogadores pensaram nas consequências, apesar de lhes ter pedido o contrário. Queria que desfrutassem. ‘E se não ganharmos, e se não marcarmos…’»

«Na segunda parte faltou-nos alguma felicidade. Registo que não sofremos golos e a boa reação na segunda parte. E registo o comportamento dos adeptos, apesar da primeira parte. Os vitorianos têm de nos ajudar. Os jogadores querem, têm vontade. Faço este pedido porque sei que há qualidade.»