Não marcou. Cristiano Ronaldo voltou a ficar em branco na Liga dos Campeões 2016/17. O que é notícia, claro, pois o camisola 7 nem o melhor marcador português desta edição da prova é: André Silva, do FC Porto, tem quatro golos. É preciso recuar até 2005/06 para encontrar um registo igual de Ronaldo, que leva apenas dois golos nesta edição.

Ainda assim, o capitão da Seleção Nacional fez um grande jogo no Bernabéu, onde o Real Madrid deu a volta ao resultado frente ao Nápoles.

Cristiano Ronaldo não marcou, mas terá mostrado faceta futura. O madeirense serviu várias vezes os colegas, com Kroos a ser o único a aproveitar. Um Ronaldo virado para a criação e menos para a finalização. Um Ronaldo diferente da máquina letal que costuma ser. Vislumbre do futuro? Diz a estatística também que Ronaldo falhou apenas três dos 32 passes que tentou, um aproveitamento de 91 por cento.

O golo de Insigne foi o primeiro do Bernabéu e numa Champions marcada por protagonistas franceses, Benzema tornou-se no gaulês com mais golos na Taça dos Campeões Europeus. O camisola 9 tem agora 51, enquanto Henry tem 50.

A vitória do Real Madrid sustentou-se ainda no golo de Kroos e no tiro de Casemiro. O brasileiro fez o segundo golo da carreira na Liga dos Campeões. O outro tinha sido pelo FC Porto. Um golaço também. 

Se não se lembra...aqui fica o vídeo feito da bancada do Dragão.

 

O campeão europeu em título leva uma vantagem de 3-1 para o San Paolo. Parece boa, mas a História deixa o clube de Chamartín em alerta. Na grandiosidade do Real Madrid, o 3-1 foi resultado de primeira mão em seis ocasiões: só em duas os merengues passaram a eliminatória.

A primeira delas com o Ujpest, em 1982, a última com o Manchester United, em 2002/03, numa noite em que Old Trafford aplaudiu de pé Ronaldo. O Fenómeno foi tremendo no Teatro dos Sonhos.

PSV, Grasshoppers, Kaiserslautern e PSG eliminaram o Real Madrid depois de 3-1 a favor dos espanhóis na primeira mão. Já o Nápoles é a primeira vez que tenta ultrapassar este resultado.

Outra vez Arsenal

Poucas dúvidas há de que o Arsenal está eliminado da Liga dos Campeões. O Bayern passou por cima da equipa londrina outra vez.

Os gunners não sofriam cinco golos desde novembro de 2015 quando defrontaram…o Bayern. É a sétima vez consecutiva que a equipa de Wenger vai cair nos oitavos de final de uma prova.

 

 

Para evitá-lo, terá de fazer algo a que já fizemos referência após o encontro entre PSG e Barcelona: apenas três equipas, em toda a história da UEFA, recuperaram de uma desvantagem de quatro golos, a primeira delas o Leixões.

Na Taça dos Campeões Europeus isso apenas sucedeu entre Real Madrid e Borussia Monchengladbach.O tetracampeão alemão viaja para Londres sustentado numa goleada e na 16ª vitória consecutiva em casa, para a Liga dos Campeões, com Lewandowski a marcar 15 golos nos últimos 13 jogos em Munique.

O Bayern foi mesmo demolidor. Teve a percentagem mais alta de posse de bola nos quatro jogos realizados até ao momento (69% vs 31%), frente ao técnico que, dos que estão em prova, é o que tem mais jogos na competição.

As críticas a Arsène Wenger não demoraram depois de mais um resultado e exibição pobres para o estatuto do Arsenal na Premier League. A hashtag WengerOut surgiu em força nas redes sociais.

Ex-jogadores vieram a público criticar também. Martin Keown afirmou que este é o ponto mais baixo da carreira de 20 anos de Wenger no clube e que o francês deve ponderar a saída.

Quando terminou a fase de grupos, os adeptos do Arsenal encheram-se de esperança, pois nesta época passaram em primeiro. Depois do sorteio, ficaram apreensivos pois em sorte calhou o poderoso Bayern.

Mas esta é, também, uma tendência que sai da segunda noite dos oitavos de final da Champions 2016/17. Lembra-se quem foram os primeiros na fase de grupos? Pois bem, até agora, em quatro jogos, perderam todos!