[hora original: 06-07-2018 23:59]

Ao 23.º dia de Mundial, o Brasil caiu. As esperanças de alcançar o hexa - que foge desde 2002 - acabaram diante de uma tremenda geração belga. Era o jogo pelo qual todos ansiavam e suspiravam, e pode-se dizer que correspondeu às expetativas.

A canarinha lutou até ao último segundo para evitar a eliminação como ficou demonstrado pelo remate de Neymar, em período de descontos. Mas Courtois agigantou-se e segurou o bilhete belga para as meias-finais. A seleção de Roberto Martínez igualou o melhor registo da história da Bélgica em fases finais - 1986 - e arrisca-se a superar a geração de Ceulemans, Gerets, Pffaf e Claesen.

Antes deste jogo, houve um duelo entre Uruguai e França. O carrasco de Portugal saiu de cena após uma derrota por 2-0, graças a golos de Varane e Griezmann. Os gauleses regressam às meias-finais de um Mundial doze anos após a última presença. 

Nas meias-finais só estarão equipas europeias, após o adeus das duas nações sul-americanas.

FIGURA DO DIA: Griezmann. O comandante do exército gaulês decidiu o jogo diante do Uruguai: primeiro assistiu Varane e assinou o 2-0 com a ajuda de Muslera. Mbappé é todo ele velocidade e explosão, Griezmann oferece classe ao jogo francês. Decisivo, uma vez mais. 

FRASE DO DIA: Um orgulho tremendo. Era o que Roberto Martínez sentia nos seus jogadores. «Estes rapazes merecem ser heróis na Bélgica». Não é caso para menos. Pela primeira vez, desde 1986, numa fase tão adiantada e continua a sonhar com uma conquista inédita.

IMAGEM DO DIA: lágrimas José Giménez. O defesa foi o espelho da tristeza «charrua». O Uruguai caiu aos pés da França e, ainda o árbitro não tinha apitado, já o defesa do Atlético Madrid estava coberto de lágrimas. O choro não parou e Giménez terminou o jogo neste estado. Uma imagem que simboliza o final de um sonho.