Domingo à tarde é uma rubrica do Maisfutebol, que olha para o futebol português para lá da Liga e das primeiras páginas. Do Campeonato de Portugal aos Distritais, da Taça de Portugal aos campeonatos regionais, histórias de vida e de futebol.
 

Há outro Jackson a brilhar em Portugal, depois do colombiano que se destacou com a camisola do FC Porto entre 2012 e 2015.

Em Oleiros, no distrito de Castelo Branco, mora o Jackson brasileiro que daqui a duas semanas vai «morder os calcanhares» aos jogadores do Sporting na Taça de Portugal e que está de pé quente.

Nos últimos dois jogos, o avançado marcou sete golos, um póquer frente ao Ferreira de Aves e um hat-trick contra o Sousense, este para a Taça de Portugal. No total soma já oito golos em 2017/18.

O registo não passou indiferente ao Maisfutebol, que entrou em contacto com o jogador e esteve à conversa com ele.

A ansiedade por jogar com o Sporting foi evidente, mas Jackson avisou logo: «Primeiro temos de pensar na União de Leiria, temos de ganhar porque esse é que é o nosso campeonato. Mas claro que o Sporting não sai da cabeça.»

Há dois anos em Portugal, Jackson diz que se sente «muito acarinhado» em Oleiros e que está a preparar o salto para outro nível.

«Trabalho para conseguir chegar lá cima, para chegar a voos mais altos. Sempre foi o meu sonho jogar na Europa e chegar a uma equipa grande. Tenho de trabalhar forte, continuar focado que vai chegar a minha hora.»

Jackson não é homem de muitas palavras, prefere falar em campo, mas lá conta que não foi fácil o percurso até agora: «Foi muito difícil no Brasil, a infância, a adolescência, foi com muita luta e muito trabalho que consegui. Para chegar lá cima temos de trabalhar em cima da dificuldade.»

A carreira começou no América de Pernambuco, de onde é natural, e em 2016 o telefone tocou: «O meu empresário no Brasil tem um amigo aqui em Portugal, o Nuno Patrão, e mandou vídeos para cá, ele gostou e colocou-me no ARC Oleiros.»

Na primeira época marcou oito golos e nesta já igualou a marca. A adaptação custou um pouco: «Gostei do que vi aqui, a I Liga e a II parecem-me boas de jogar. Mas achei muito diferente o Campeonato de Portugal, é mais duro e no Brasil o jogo é mais rápido.»

A segunda temporada mostra um Jackson mais eficaz, que já cativou os adeptos. Por causa disso já fez uma aposta com eles.

«Fiz uma aposta com os adeptos e quero ganhar. Se eu fizer entre 17 a 20 golos eles vão dar-me um prémio», contou por entre risos. E sentenciou: «No momento sou eu o ídolo (risos). O pessoal acarinha-me muito, gosto de estar aqui.»

Já leva um excelente registo e parece embalado para vencer a aposta. Os próximos adversários serão a União de Leiria, que é a única equipa invicta nos campeonatos nacionais em Portugal, e de seguida o Sporting.

O objetivo é marcar aos dois, em especial aos leões: «Aqui em nossa casa somos muito fortes e estamos à espera do Sporting para causar surpresa. É um sonho marcar ao Sporting, algo que nunca será esquecido. Somos uma equipa pequena, de uma vila pequena, jogar com o Sporting já é histórico. Marcar será um sonho muito grande.»

Jackson admite que Jorge Jesus pode não trazer os artistas principais, mas a dupla de centrais que vier vai ter muito trabalho: «Acho difícil eles virem com a equipa titular, mas não sei. Posso é garantir que não vai haver bolas perdidas, é até ao juiz apitar.»

Nesse dia, Jackson estará frente a jogadores de outro nível e se puder pedirá uma camisola a um deles. O brasileiro revela a escolha: «Pediria ou ao Bas Dost ou ao Mathieu.»

Marcar ao Sporting será um sonho, admite o goleador

O goleador revela que a sua principal característica é a entrega e a vontade. Até por isso, o ídolo é Diego Costa: «Ele briga sempre, não há bolas perdidas. É um percurso a seguir, trabalhar e pensar em grande.»

O agora avançado do Atlético de Madrid também passou por Portugal, pelo Penafiel (II Liga) e Sp. Braga (I Liga), e Jackson gostava de seguir o mesmo trilho. Para já só pensa em agradar aos adeptos do ARC Oleiros.

«O objetivo é tentar ficar no Campeonato de Portugal. Fizemos história na última época ao conseguir e queremos continuar.»

Em Oleiros, Jackson é um dos poucos que não trabalha, uma realidade diferente do futebol profissional: «Aqui treinamos à noite e também à quarta e quinta de manhã, mas nesses dias apenas os que moram cá. A maioria trabalha, só quem não trabalha é que está em Oleiros.»

No último defeso, o brasileiro teve oportunidades para sair para outras equipas do Campeonato de Portugal, mas o carinho pelo Oleiros não o deixou partir.

«Na época passada tive propostas, mas as pessoas daqui não me quiseram deixar sair, eu também não, e está a correr tudo bem.»

O ARC Oleiros ocupa o nono lugar da Série C, com sete pontos em cinco jogos e Jackson é o homem em destaque. Marcou oito dos nove golos que a equipa tem esta época, o que significa um cartão de visita impressionante.

É com este jogador que Jorge Jesus mais tem de se preocupar, já que para além do pé quente, Jackson vai lutar pelo sonho de marcar ao Sporting.

 

OUTROS TEXTOS DA RUBRICA «DOMINGO À TARDE»

O ex-colega de Mourinho que divide o dia entre o relvado e a fábrica

«Fazer golos é a minha praia, está a perceber?»

O Materazzi com sonho algarvio e nada violento: «Só parecenças físicas»

É o treinador mais jovem dos Nacionais e «nem tinha consciência»

Na Foz do Sousa mora um goleador que passa o dia atrás do balcão

O fã de Brahimi (e francesinhas) que espera regressar à Liga

Fez dupla com Jardel, teve Marco Silva como lateral e vive sonho em Merelim

O metralha de Mourinho que é «sargento» em Carcavelos

Carlos Manuel: o capitão dos Tigres que acordaram com o bairrismo

Tuck: o «eterno capitão» que liderou o «sonho» do Sacavenense

O «chico» que partia pratos foi herói em Oliveira de Azeméis

A «remontada» em Massamá (ou como tornar um sonho Real)

Triunfou em Setúbal, recusou o FC Porto e agora paga para jogar

O pupilo de Mourinho e Jesus rejuvenesceu em Fátima

Uma aventura no Vietname contada pelo homem que ama o Moreirense

O Klysman de Viseu levou os Trambelos à loucura

Sonho de Belém teve pesadelo em Guimarães mas ainda dura em Faro

Aos 28 anos tornou estas águias invencíveis nos distritais

Vila Fria 1980: o primeiro ponto ao fim de 19 jornadas

Jorge Ribeiro: da Luz à Rússia, o pé esquerdo com Faro de golo

Cresceu com o «patinho feio» de Alvalade, agora renasce no Barreiro

Do título à chamada de Mourinho: «Miúdo, logo vais à conferência»

De dia faz cadeiras, à noite é goleador em Gandra

Kadú: «No FC Porto tinha quem limpasse as botas, no Trofense não»

Amigo de Neymar corre atrás do sonho partilhado com Talisca

Amigo de Marco Silva foi herói em Sintra por um penalti

O amigo «galático do Campeonato de Portugal» de Cristiano Ronaldo

«Irmão» de Horta quer tombar Benfica: «Não pode ficar a rir»

Acidente quase lhe matou o sonho, Paulo Fonseca foi «anjo da guarda»

Há um Sócrates que lê livros de Ronaldo e fez dupla com Lucas João

Foi «menino de ouro» no Benfica e renasceu no Oeste

Jogou com Gelson, agora é Iniesta por culpa das miúdas

Rui Rêgo: a palestra de Jardim, uma alegria em Oblak e o sonho concretizado

Mortágua dos amores e golaços, inspirado pelos grandes

Tombou o Benfica, agora funde metal e brilha nos distritais

A melhor defesa da Europa, culpa de um «chato»

Um Mitroglou que quer bater Casillas com ideias de Jesus

Cresceu na sombra de Eto’o e fez um milagre em Fátima

Amigo de Óliver revê-se em Renato: «Uma chance e vou explodir»